Presidente do Vitória da Conquista dispara contra arbitragens no Baianão

Após a derrota do Vitória da Conquista para o Vitória por 2 a 1, neste domingo (2), no Lomantão, o presidente Ederlane Amorim criticou as arbitragens dos jogos da sua equipe no Campeonato Baiano. Além da partida contra o Leão, o dirigente citou erros dos árbitros nos duelos do Bode diante do Jacuipense, na estreia da competição, e do Bahia, pela segunda rodada.

“Já começamos o campeonato deste ano com um erro gravíssimo de Diego Pombo assinalando um pênalti que não foi e acabou nos custando o empate no final do jogo. Fomos jogar contra o Bahia e o sr. Edvalter Marinho, que anulou um gol legítimo nosso que o próprio comentarista de arbitragem também falou que fomos prejudicados. O jogo estava 1 a 0 para o Bahia e poderia ter sido o empate. Fomos para Alagoinhas, um arbitragem perfeita do Moises, a gente não tem do que reclamar. Ou seja, uma arbitragem boa que não tivemos influência externa da arbitragem no campo, o resultado foi o do jogo, o empate. Aqui contra o Vitória, novamente, o impedimento está claro. O bandeirinha estava na linha da jogada e não marca o impedimento que culminou no gol, independente se o goleiro falhou ou não, isso não é questão. Se o goleiro falha ou não é um problema do clube, mas se arbitragem falha já não é nosso, já passa a ser dos órgão competentes. Tivemos três lances casuais que decidiram o placar da partida contra nossa instituição. Aí você olha na tabela e vê o time com dois pontos ganhos em quatro jogos, mas ninguém quer saber por quê”, afirmou em entrevista ao Bahia Notícias.

A partida contra o Jacuipense terminou empatada em 2 a 2. Já o compromisso diante do Bahia, o Bode foi derrotado por 2 a 0, fora de casa. “Não estou querendo chamar atenção, nem querendo que a arbitragem me ajude, muito pelo contrário. Se ela não me prejudicar, já vai estar me ajudando demais. Não quero vencer jogos com a ajuda de ninguém. Se a gente não tiver condições de vencer, que a gente não vença, que perca, mas que a gente não seja prejudicado, como vem sendo. Em quatro jogos, três erros capitais influenciando direto no campeonato de só nove jogos. Já tem as dificuldades da competição, os times praticamente todos equilibrados, tirando Bahia e Vitória. Já tem a dificuldade natural da competição em vencer jogos, superar a dificuldade geográfica, de estrutura, praticamente matando um leão todos os dias para chegar ali na hora do futebol, que é a pontinha do iceberg, que é o que a imprensa e a torcida só veem aquilo ali e não o que está por trás para se chegar ali. Você tem que vencer a competição, vencer os adversários, vencer das suas dificuldades e também tem que agora colocar um adversário na sua pauta de competição que é a arbitragem. Fica muito complicado, está ficando cansativo. Já venho pensando até em parar, desistir, porque são 15 anos à frente do clube lidando sempre com os mesmos problemas. É o mesmo cenário sempre. Você reclama, o juiz coloca na súmula que você invadiu, que ofendeu, aí você é punido, paga multa, é suspenso. Mas com os árbitros não acontece nada!”, continuou.

Ederlane Amorim disse que não vai entrar com uma representação à Federação Bahiana de Futebol (FBF) contra a arbitragem. “Não vou nem mandar mais para a Federação. Eles pedem para mandar, que a comissão de arbitragem vai chamar para conversar, mas estamos há 15 anos fazendo isso e não vemos mudança. Não vemos punição severa para nenhum árbitro. Os caras chegam, tratam mal os jogadores, abusam da autoridade, qualquer coisa querem dar cartão, então você não pode falar nada. A maioria deles não tem uma boa relação com os jogadores”, disse. “Do que adianta, você ficar se estressando com uma coisa que não haverá mudanças? Só fica sendo antipático com a imprensa, antipático com a Federação, antipático com os árbitros. Você não pode falar nada, porque as críticas se voltam contra você. E você ainda tem que pagar ao árbitro. Tem que tirar o dinheiro da sua renda para pagar ao árbitro que te prejudicou. Essa é a melhor parte! Pagar ao cara que te lesou, que tirou um ano seu de calendário, que tirou milhões do seu orçamento e você ainda tem que pagar por ele ter feito aquilo. Essa conta não bate”, completou.

O Vitória da Conquista ocupa a oitava colocação na tabela de classificação com dois pontos conquistados, quatro a menos do que o Jacuipense que fecha o G-4 do Baianão. O Bode volta ao gramado no próximo dia 16, um domingo, às 16h, para receber a visita do Bahia de Feira, no Lomantão, pela quinta rodada da competição.

Matéria de Leandro Aragão .

Foto de: Matheus Caldas

Site: Bahia Notícias